Publicado
01-07-2021

Desempeño motriz en escolares practicantes y no practicantes de danza

Desenvolvimento motor em escolares praticantes e não praticantes de dança

DOI: https://doi.org/10.15332/2422474X.6876
Daniela Bastos de Almeida Rodrigues
Ignácio Antônio Seixas-da-Silva
Rosana Dias de Oliveira Brum
Ricardo Mariano Dublasievicz
Vitor Ayres Principe
Sérgio Medeiros Pinto
Rodolfo de Alkmim Moreira Nunes
Carlos Soares Pernambuco
Rodrigo Gomes de Souza do Vale

Resumen (es)

El propósito del estudio fue comparar el equilibrio y la motricidad global de escolares practicantes de Educación Física curricular y practicantes de balet como actividad física extracurricular. El estudio fue descriptivo comparativo. Se aplicó la Escala de Desarrollo Motor, específicamente las pruebas de equilibrio y motricidad global, a 18 niños entre 9 y 11 años, de los que nueve eran practicantes de balet y nueve, no practicantes de actividad física extracurricular. Para comparar el desarrollo motor entre los grupos de estudio, se aplicó la prueba de Fischer. Para la significancia estadística se consideró el nivel de p<0,05. Los resultados de la investigación evidenciaron que no hubo diferencias significativas entre los grupos balet y escuela en las pruebas de equilibrio y motricidad global. Con la investigación, se concluye que los individuos analizados en el estudio presentaron el mismo nivel de desarrollo motor debido a que todos los grupos alcanzaron más de 50 % de ítems positivos.

Palabras clave (es): desempeño psicomotor, danza, instituciones académicas

Resumen (pt)

O estudo teve como objetivo comparar o equilíbrio e a motricidade global de escolares praticantes de Educação Física curricular e praticantes de balé como atividade física extracurricular. O estudo foi descritivo comparativo. Foi aplicada a Escala de Desenvolvimento Motor, especificamente os testes de equilíbrio e motricidade global, em 18 crianças na faixa etária de 9 a 11 anos, das quais 9 eram praticantes de balé e 9, não praticantes de atividade física extracurricular. Para a comparação do desenvolvimento motor entre os grupos de estudo, aplicou-se o teste de Fischer. O nível de p<0,05 foi considerado para a significância estatística. Os resultados da pesquisa mostraram que não houve diferenças significativas entre os grupos balé e escola nos testes de equilíbrio e motricidade global. Com esta pesquisa, conclui-se que os indivíduos analisados no estudo apresentaram o mesmo nível de desenvolvimento motor em virtude de todos os grupos atingirem mais de 50% de itens positivos.

Palabras clave (pt): desempenho psicomotor, dança, instituições acadêmicas
Daniela Bastos de Almeida Rodrigues, Universidade Estácio de Sá

Bacharela, professora, Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil.

Ignácio Antônio Seixas-da-Silva, Universidade Estácio de Sá

Doutor, Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil.

Rosana Dias de Oliveira Brum, Universidade Estácio de Sá

Mestra, Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil.

Ricardo Mariano Dublasievicz, Universidade Estácio de Sá

Mestre, Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil.

Vitor Ayres Principe, Universidade Estácio de Sá

Mestre, Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil.

Sérgio Medeiros Pinto, Universidade Estácio de Sá

Doutor, Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil.

Rodolfo de Alkmim Moreira Nunes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutor, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Carlos Soares Pernambuco, Universidade Estácio de Sá

Doutor, Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil.

Rodrigo Gomes de Souza do Vale, Universidade Estácio de Sá

Doutor, Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil.

Referencias

Amorim, L. A. C., Zogaib, F. G., Seixas da Silva, I. A., Brüch, V. L. e Dantas, P. M. S. (2006). Estudo descritivo do comportamento psicomotor de indivíduos de ambos os gêneros participantes de um projeto esportivo. Coleção Pesquisa em Educação Física (v. 4, pp. 422-427). Editora Fontoura.

Arruda, K. M. F. e Silva, E. A. A. (2009). Desenvolvimento motor na educação infantil através da ludicidade. Connection line, 4, 37-50. https://doi.org/10.18312/1980- 7341.n4.2009.131

Barbosa, R. C. (2017). Estudo comparativo de força e flexibilidade em praticantes e não praticantes do balé clássico em Campina Grande-PB. (Trabalho de conclusão de curso em educação física). Universidade Estadual da Paraíba, Paraíba, Brasil. https://doi.org/10.14393/19834071.v26.n2.2017.35629

Brasil (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Secretaria de Educação Fundamental. Ministério da Educação e Cultura. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/fisica.pdf

Brasil (2018). Base Nacional Curricular Comum. Ministério da Educação do Brasil. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal _site.pdf

Betti, M. e Zuliani, R. (2002). Educação física escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de educação física e esporte, 1(1), 73-81. https://doi.org/10.1590/s1807-55092011000500011

Campelo, A. M. (2013). A realidade virtual na intervenção motora em crianças com transtorno do desenvolvimento da coordenação. (Dissertação de mestrado em desenvolvimento humano e tecnologias). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/t.39.2013.tde- 28112013-151731

Cardoso, J. B., Silva, R. G. e Galiasso, C. A. F. (2016). Contribuições da dança no desenvolvimento motor de escolares. Anais XI Semana Nacional de Ciência e Tecnologia no Estado de Roraima, Roraima, Brasil. https://doi.org/10.29327/15284

Carreiro, L. R. R., Reppold, C. T., Mariani, M. M. de C., Lellis V. R. R., Dias, N. M., Fioravante-Bastos, A. C. M., Seabra, A. G. (2015). Habilidades cognitivas ao longo do desenvolvimento: contribuições para o estudo da atenção concentrada. Psicologia: teoria e prática, 17(2), 153-170. https://doi.org/10.15348/1980- 6906/psicologia.v17n2p153-170

Costa, R. M. e Silva, E. A. A. (2009). Escala de desenvolvimento motor de Rosa Neto: estudo longitudinal em uma escola da rede particular de ensino de Cuiabá-MT. Connection Line, 4, 51-64. https://doi.org/10.18312/1980-7341.n4.2009.133

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (2018). Censo Escolar da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação. http://portal.inep.gov.br/informacao-da- publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/1487619

Latini, D. M., Seixas da Silva, I. A., Medeiros, H. B. O. e Firmino, M. M. (2006). Estudo descritivo e análise correlacional entre fatores psicomotores em jovens universitários da cidade de Niterói no estado do Rio de Janeiro. Coleção Pesquisa em Educação Física (v. 4, pp. 401-404). Editora Fontoura.

Lima, M. S., Fonseca, L. B., Azevedo, D. S., Ribeiro, R. S. L. (2012). A contribuição da dança para o desenvolvimento psicomotor na Educação Infantil. Revista digital efdesportes, 17(1875). https://www.efdeportes.com/efd175/danca-para-o- desenvolvimento-psicomotor.htm

Maciel, C. L. A., Santo, L. P. E., Fernandes, C. T., Maciel, C. M. L. A. e Reis Filho, A. D. (2015). As contribuições da dança no desempenho motor de crianças da educação infantil. Arquivos em movimento, 11(02), 29-46. https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/9257/pdf_59

Oliveira, L., Zancan, R. F., Krug, M. R. e Batistella, P. A. (2002). Dança e o desenvolvimento motor de portadores de necessidades educativas especiais- PNEEs. Revista educação especial, 20, 89-96. https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/5122

Oliveira, G. M. (2013). O desenvolvimento motor nas séries iniciais do ensino fundamental de uma escola de Planaltina-DF. (Monografia de conclusão de curso em educação física). Universidade Federal de Goiás, Goiás, Brasil. https://doi.org/10.14393/19834071.2016.33168

Ribeiro, S. L. (2004). Espaço escolar: um elemento (in)visível no currículo. Sitientibus, 31, 103-118. http://www2.uefs.br:8081/sitientibus/pdf/31/espaco_escolar.pdf

Rodrigues, M. F., Santos, L. F., Raymundo, L. X., Rocha, T. D. e Miguel, H. (2018). Benefícios da prática do balé clássico para crianças de 08 a 14 anos da cidade de Mogi Guaçu. Revista científica multidisciplinar núcleo do conhecimento, 11(2), 67- 72. https://doi.org/10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/administracao/implanta cao-do-planejamento

Rosa Neto, F. (2002). Manual de avaliação motora. Artmed.

Santos, C. R., Silva, C. C., Damasceno, M. L., Medina-Papst, J. e Marques, I. (2015). Efeito da atividade esportiva sistematizada sobre o desenvolvimento motor de crianças de sete a 10 anos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 29(3), 497-506. https://doi.org/10.1590/1807-55092015000300497

Santos, D. O. G. L. de O. (2011). O corpo que dança: a arte de brincar. (projeto de pesquisa em licenciatura em dança). Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, Brasil. https://ri.ufs.br/handle/riufs/6778?locale=es

Silva, N. R. S. O. (2016). Dança e educação física: vivência e desenvolvimento motor no ensino fundamental I. Revista científica da Fasete, 11(2), 154-170. https://doi.org/10.30612/hre.v9i16.13127

Silveira, C. R. A., Menuchi, M. R. P., Simões, C. S., Caetano, M. J. D. e Gobbi, L. T. B. (2006). Validade de construção em testes de equilíbrio: ordenação cronológica na apresentação das tarefas. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 8(3), 66-72. https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/3911/3317

Simões Neto, J. C., Oliveira, G. F., Rocha, A. M. e Lopes, R. E. M. (2018). Associação entre o nível de atividade física e o desempenho cognitivo em crianças. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 12(39), 713-735. https://doi.org/10.14295/idonline.v12i39.1023

Tiecher, T. C., Toigo, A. M. e Rodrigues, L. G. C. (2015). Comparação das habilidades motoras fundamentais de locomoção de crianças entre 6 e 8 anos praticantes e não praticantes de balé. Cippus, 4(1), 36-54. https://doi.org/10.11606/d.5.2009.tde- 09122009-164929

Thiesen, T., Sumiya, A. (2011). Equilibrio e arco plantar no balé clássico. ConScientiae Saúde, 10(1), 138-142.

https://periodicos.uninove.br/saude/article/view/2550/1906

Thomas, J. R., Nelson, J. K. e Silverman, S. J. (2012). Métodos de pesquisa em atividade física. Artmed.

Turcatto, E. S., Burgos, M. Z., Reuter, C. P., Reckziegel, M. B. e Rosa, R. Q. (2013). Efeitos da dança no desenvolvimento motor e aptidão física: um estudo de caso em escolares. Revista digital efdesportes, 18(185). https://www.efdeportes.com/efd185/efeitos-da-danca-e-aptidao- fisica.htm#:~:text=Resultados%20estes%20que%20corroboram%20os%20encont rados%20nesta%20pesquisa.&text=Os%20resultados%20deste%20estudo%20apo ntam,de%20forma%20espec%C3%ADfica%20na%20flexibilidade

Vieira, M. S. (2014). A dança na arte e na educação física: diálogos possíveis. Revista Tempos e Espaços em Educação, 13, 177-185. https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.3266

Dimensions

PlumX

Visitas

428

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Cómo citar

Rodrigues, D. B. de A. ., Seixas-da-Silva, I. A. ., Dias de Oliveira Brum, R. ., Dublasievicz, R. M. ., Principe, V. A., Pinto, S. M., de Alkmim Moreira Nunes, R. ., Pernambuco, C. S. ., & Vale, R. G. de S. do . (2021). Desempeño motriz en escolares practicantes y no practicantes de danza. Cuerpo, Cultura Y Movimiento, 11(2), 35-53. https://doi.org/10.15332/2422474X.6876

Artículos más leídos del mismo autor/a