Aspectos motores na Educação Física escolar e na natação

Autores/as

  • Luma Silveira de Sá Carvalho Paixão Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio
  • Ignácio Antônio Seixas-da-Silva Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro
  • Vitor Ayres Principe Universidade Estácio de Sá
  • Carlos Soares Pernambuco Universidade Estácio de Sá
  • Rodrigo Gomes de Souza Vale Universidade Estácio de Sá

DOI:

https://doi.org/10.15332/2422474X.6875

Palabras clave:

desempenho psicomotor, natação, instituições acadêmicas, educação física, treinamento

Resumen

El propósito del estudio fue comparar los aspectos motores entre escolares y niños que practican actividad extra de natación. Se trata de un estudio descriptivo comparativo y que utilizó la Escala de Desarrollo Motor de Rosa (2002), a partir de la cual se emplearon las pruebas de motricidad global, equilibrio y lateralidad. Se evaluaron 28 niños, de los que 14 son escolares (3 niños y 11 niñas) y 14 estudiantes (7 niños y 7 niñas), que actúan en la escuela junto a la actividad extra de natación. Los resultados señalan una diferencia significativa en la prueba de motricidad global y equilibrio con relación a las frecuencias de ejecución, siendo favorables al grupo de estudiantes que practican actividad extra de natación.

Biografía del autor/a

Luma Silveira de Sá Carvalho Paixão, Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio

Bacharel, professor, Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, Brasil.

Ignácio Antônio Seixas-da-Silva, Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro

Doutor, Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, Brasil.

Carlos Soares Pernambuco, Universidade Estácio de Sá

Doutor, Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, Brasil.

Citas

Amorim, L. A. C., Zogaib, F. G., Seixas da Silva, I. A., Brüch, V. L. e Dantas, P. M. S. (2006). Estudo descritivo do comportamento psicomotor de indivíduos de ambos os gêneros participantes de um projeto esportivo. Coleção Pesquisa em Educação Física (v. 4, pp. 131-135). Editora Fontoura.

Batistella, P. A. (2001). Estudo de Parâmetros motores em escolares com idade de 6 a 10 anos da cidade de Cruz Alta-RS. (Dissertação de mestrado em ciências do movimento humano). Universidade do Estado de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil. https://doi.org/10.17533/udea.efyd.v34n2a02

Borges, R. K. F. M. e Maciel, R. M. (2016). A Influência da natação no desenvolvimento dos aspectos psicomotores em crianças da educação infantil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 9, 292-313. https://doi.org/10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao/a- importancia-do-brincar

Collet, C., Folle, A., Pelozin, F., Botti, M. e Nascimento, J. V. (2008). Nível de coordenação motora de escolares da rede estadual da cidade de florianópolis. Motriz, 14(4), 373-380. https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/206 6/1941

Damasceno, L .G. (1992). Natação, Psicomotricidade e Desenvolvimento. Secretaria do Desporto.

Gallahue, D., Ozmun, J. C. e Goodway, J. D. (2013). Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. Phorte Editora.

Ganança, M. M., Caovilla H. H., Munhoz M. S. L., Silva, M. L. G., Ganança, F. F. e Ganança, C. F. (1999). A vertigem explicada: implicações terapêuticas. Revista Brasileira de Medicina (Caderno de Vertigem), (6), 1-20.

Gil, A. C. (2002) Como elaborar projetos de pesquisas. (4 ed.). Atlas.

Latini, D. M., Seixas da Silva, I. A., Medeiros, H. B. O. e Firmino, M. M. (2006). Estudo descritivo e análise correlacional entre fatores psicomotores em jovens universitários da cidade de Niterói no Estado do Rio De Janeiro. Coleção Pesquisa em Educação Física (v. 4, pp. 401-404). Editora Fontoura.

Lopes, O. G. M e Pereira, S. J. (2004). A Influência da natação sobre o equilíbrio em crianças. Fitness & Performance Journal, 3(4), 201-206. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2956331

Lopes, L.C.O. (2006). Atividade física, recreio escolar e desenvolvimento motor: estudos exploratórios em crianças do 1o ciclo do ensino básico. (dissertação de mestrado em estudos da criança). Universidade do Minho, Braga, Portugal. https://doi.org/10.6063/motricidade.3219

Martins, V., Silva, A. J., Marinho, D.A. e Costa, A. M. (2015). Desenvolvimento motor global de crianças do 1o ciclo do ensino básico com e sem prática prévia de natação em contexto escolar. Motricidade, 11(1), 87-97. https://doi.org/10.6063/motricidade.3219

Mattos, M. G. e Neira, M. G. (2011). Educação Física infantil: construindo o movimento na escola. Editora Phorte.

Rosa, F. (2002). Manual de avaliação motora. Editora Artmed.

Oliveira, G. T. S, Faria, F. H. P., Oliveira, L. G. R., Foresti, B. B. e Alves, F. R. F. (2015). A natação como um recurso no desenvolvimento motor em alunos com síndrome de Down inseridos no ensino fundamental. Revista Interação — Revista de Ensino, Pesquisa e Extensão, 17(17), 24-28. https://doi.org/10.33836/interacao.v17i17.74

Oliveira, G. C. (2001). Psicomotricidade: educação e reeducação num enfoque psicopedagógico. Editora Vozes.

Penha, J. B. B. e Rocha, M. D. L. C. (2010). A influência da psicomotricidade na educação infantil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 9, 292-313. https://doi.org/10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao/cultura-na- educacao

Pereira, C. O. (2002). Estudo dos parâmetros em crianças de 02 e 06 anos de idade na cidade de Cruz Alta. (dissertação de mestrado em ciências do movimento humano). Universidade do Estado de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil. https://doi.org/10.14393/19834071.2016.32970

Rigal, R. (1988). Motricidad humana. Pila Teleña.

Silveira, R. A. (2010). Avaliação e comparação das atividades motoras das baterias EDM, Mabc-2 E Tgmd-2. (dissertação de mestrado em ciências do movimento humano). Universidade do Estado de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil. https://doi.org/10.14393/19834071.2016.32970

Souza, C. G. (2004). Benefícios da utilização de materiais para o desenvolvimento psicomotor dentro do ensino da natação em crianças até seis anos. (trabalho de conclusão de curso de especialização em psicomotricidade). Universidade Cândido Mendes, Rio De Janeiro, Brasil. https://doi.org/10.1590/s0104- 42302009000300023

Tani, G., Kokubun, E., Manoel, E. J. e Proença, J. E. (1988). Educação física escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. Editora da Universidade de São Paulo. https://doi.org/10.29381/0103-8559/20192904415-22

Tahara, A. K. e Santiago, D. R. P. (2006). As atividades aquáticas associadas ao processo de bem-estar e qualidade de vida. Ef Deportes — Revista Digital, 11(103). https://www.efdeportes.com/efd103/atividades- aquaticas.htm#:~:text=A%20pr%C3%A1tica%20de%20atividades%20aqu%C3%A1 ticas,realiza%C3%A7%C3%A3o%20emocional%20ao%20executar%20tarefas

Thomas, R., Nelson, K. e Silverman, J. (2012). Métodos de pesquisa em atividade física. Editora Artmed.

Velasco, C. G. (1996). Brincar — O despertar psicomotor. Editora Sprint.

Publicado

2021-07-01

Cómo citar

de Sá Carvalho Paixão, L. S. ., Seixas-da-Silva, I. A., Principe, V. A., Pernambuco, C. S., & Gomes de Souza Vale, R. (2021). Aspectos motores na Educação Física escolar e na natação: Array. Cuerpo, Cultura Y Movimiento, 11(2), 14–34. https://doi.org/10.15332/2422474X.6875

Artículos más leídos del mismo autor/a