##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Adilbênia Freire Machado Eduardo David de Oliveira

Resumen

La ancestralidad es una lectura epistemológica, política de la tradición negra africana recreada en Brasil, una categoría analítica con densidad política y epistemológica que tiene lugar en el tiempo y el espacio y da lugar al Encantamiento. Se trata de una experiencia que transforma, de sí misma en relación con lo colectivo, relación de praxis, pensar / hacer, sin separar la estética de la ética y la política cultural. Estos son conceptos que nos apoyan para que podamos dialogar con las filosofías africanas, produciendo una filosofía afrobrasileña. Pensar / crear / filosofar / educar en diálogo con todo saber, reflejando desde nuestros escritos, nuestra pertenencia, articulando nuestro ser-en-el-mundo subjetivo y colectivo. Es una relación compleja y creativa con nuestro ser-en-el-mundo. Implicación con la educación para la liberación.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Palabras Clave
Referencias
Alves, Maria Kellynia Farias (2015). Resistência Negra no Círculo de Cultura Sociopoético: pretagogia e produção didática para a implementação da lei 10.639/03 no projovem urbano. Dissertação (mestrado) em Educação. Universidade Federal do Ceará. Programa de Pós-Graduação em Educação. Fortaleza, 159f.

Castiano, José P. (2010). Referenciais da Filosofia Africana: em busca da intersubjectivação. Moçambique. Sociedade Editorial Ndjira, Lta, 1ª Edição.

Chiziane, Paulina. (2018) O canto dos escravizados. Belo Horizonte: Nandyala.

Chiziane, Paulina. (2013) As andorinhas. Belo Horizonte: Nandyala.

Evaristo, Conceição. (2017). Destaque: Conceição Evaristo. Entrevista concedida a Ademir Pascale. Conexão Literatura. Junho, N° 24.

hoosk, bell. (2019). Olhares negros: raça e representação. Tradução de Stephanie Borges. São Paulo: Elefante.

hooks, bell. (2003). De coração para coração: ensinando com amor. Heart to heart: teaching with love. In: ______. Teaching community: a pedagogy of hope. New York: Routledge, p. 127-137. Tradução para uso didático de Vinícius da Silva. https://oquartodehooks.wordpress.com/2019/02/10/de-coracao-para-coracao-ensinando-com-amor/amp/?__twitter_impression=true. Acesso em 10 de fevereiro de 2019.

Machado, Adilbênia Freire. Por uma filosofia do ser-tão. Cult – Revista Brasileira de Cultura, Nº 271, Ano 24, Julho de 2021.

Machado, Adilbênia Freire. Filosofia Africana desde Saberes Ancestrais Femininos: bordando perspectivas de descolonização do ser-tão que há em nós. Revista da ABPN, v. 12, n. 31, jan – fev 2020a, p. 27-47.

Machado, Adilbênia Freire. (2019). Saberes Ancestrais Femininos na Filosofia Africana: Poéticas de Encantamento para Metodologias e Currículos Afrorreferenciados. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Educação, 268p, Fortaleza,.

Machado, Adilbênia Freire. (2019). Filosofia Africana: ancestralidade e encantamento como inspirações formativas para o ensino das africanidades. Fortaleza: Imprece.

Machado, Adilbênia Freire; MATOS, Patrícia Pereira de. (2016). Ancestralidade Africana – um modo de ser, estar e cuidar: uma aprendiz e uma iniciada. In: SILVEIRA, Ronie Alexsandro Teles da; LOPES, Marcos Carvalho (Orgs). A religiosidade brasileira e a filosofia. Porto Alegre, RS: Editora Fi.

Machado, Adilbênia Freire. (2014a). Filosofia Africana para Descolonizar Olhares: Perspectivas para o Ensino das Relações Étnico-Raciais. # Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, Canoas, v.3, n.1.

Machado, Adilbênia Freire. (2014b). Ancestralidade e Encantamento: filosofia africana mediando a história e cultura africana e afro-brasileira. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Educação, Salvador.

Meijer, Rebeca de Alcântara e Silva. (2012). Valorização da Cosmovisão Africana na Escola: narrativa de uma pesquisa-formação com professoras piauienses. Tese (doutorado). Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza, 194f.

Oliveira, David Eduardo de. (2007a). Ancestralidade na Encruzilhada. Curitiba: Editora Gráfica Popular.

Oliveira, David Eduardo de. (2007b). Filosofia da ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Curitiba: Editora Gráfica Popular.

Pinto, Makota Valdina. (2017). TPSM_Conexão Professora Valdina Pinto "MAKOTA": Ancestralidade. Vide: https://www.youtube.com/watch?v=N9l4diwjRbU

Santos, Maria Stella de Azevedo. (2010). Meu tempo é agora. Assembleia Legislativa do Estado da Bahia.
Cómo citar
Freire Machado, A., & de Oliveira, E. D. (2022). Filosofia africano-brasileira: ancestralidade, encantamento e educação afrorreferenciada. Cuadernos De Filosofía Latinoamericana, 43(126). Recuperado a partir de https://revistas.usantotomas.edu.co/index.php/cfla/article/view/7512
Sección
Dossier: Filosofía y Educación en América Latina