Análise semiótica e formal do docudrama “Mulheres Assassinas”

Lucas Bonesi Ferreira, Rogerio Zanetti Gomes

Resumen


Este artigo tem como objetivo analisar o docudrama “Mulheres Assassinas”, transmitido no canal Discovery Channel, onde são recontadas histórias de mulheres que cometeram homicídios. Este docudrama será investigado em duas vertentes: em primeiro lugar, ele será analisado enquanto a sua forma, ou seja, quais os elementos visuais presentes no programa podem leva-lo a ser classificado como docudrama. Para esta pesquisa, serão utilizados, primordialmente, os conceitos de reprodução e representação apresentada por Bill Nichols (2012). Assim, depois de realizar este exame, serão retiradas do programa duas imagens e, a partir delas, será executada uma analise semiótica, considerando os diversos signos presentes nestas imagens. Este programa, que tem como tema central histórias de mulheres que cometerem assassinatos, também é dividido por temas, ou seja, em cada episódio se reproduz uma história diferente, apresentando motivos diversos que levaram à ocorrência do homicídio. Neste sentido, esta pesquisa irá analisar o episódio de mulheres que cometeram crimes devidoa fortes emoções como raiva, amor, desespero, ganância etc. Assim, também em virtude do mesmo episódio contar três histórias distintas, somente um caso será escolhido para ser examinado. Pretende-se, por meio deste trabalho, observar que existe uma liberdade cinematográfica no docudrama ao recontar a história de acordo com a visão do diretor e, entretanto, ainda mantém o desejo de ser fiel ao real. Portanto, para que isto seja possível, é necessário que o diretor utilize muitos signos indiciais para que o telespectador tenha a sensação de estar diante de uma história verdadeira, quando na verdade estas imagens são cridas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15332/s1794-3841.2014.0022.03

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


ISSN: 1794-3841 - e-ISSN: 2422-409X - DOI: https://doi.org/10.15332/2422409X