A ética da revolta de Albert Camus e o ato de jogar:

aproximações teórico-filosóficas com a atuação do jogador no fenômeno “jogo”

Autores/as

  • Gabriel Orenga Sandoval Universidade Estadual de Campinas
  • Lucas Leonardo Universidade Federal de Amazonas
  • Luis Felipe Nogueira Silva Universidade Estadual de Campinas
  • Alcides José Scaglia Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.15332/25005375.7672

Palabras clave:

absurdo, revolta, jogo, jogador, autonomia, esporte, futebol

Resumen

O jogo é entendido enquanto um fenômeno complexo, em que a ação do jogador se caracteriza pela eticidade, uma vez que, além de expressar sua subjetividade, visa à boa vida (no caso do jogo, o prazer e a vitória). Assim, o caráter ético da ação do jogador se constitui em um ambiente de jogo, local que a imprevisibilidade, a dinâmica e as novas organizações estão presentes. Dessa maneira, faz parte da função do jogador compreender o ambiente em que ele se encontra, ou seja, entender como as organizações do jogo ocorrem. De modo semelhante, o conceito chamado de “absurdo”, criado por Albert Camus, filósofo franco-argelino, assemelha-se a essa demanda do entendimento do meio em que se vive, ao exaltar a tomada de consciência. Como consequência, segundo ele, o único movimento possível, posterior à compreensão do absurdo é a revolta, ação pautada na expressão do sujeito, com vistas à justiça, à coletividade e à unidade, baseando-se em limites que não devem ser ultrapassados. A partir disso, portanto, pensa-se na possibilidade de entender o jogador enquanto um homem revoltado no jogo, buscando, dada a identificação do meio em que se está, o sucesso de sua equipe, através de suas ações.

Citas

Azevedo, P. I. S. (2017). Do absurdo à revolta em Albert Camus. [Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Ceará]. https://repositorio.ufc.br/handle/riufc/36348

Caillois, R. (2017). Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Edições Cotovia. Ltda.

Camus, A. (2018). O homem revoltado (12 ed). Record.

Camus, A. (2019a). O mito de Sísifo (17 ed). Record.

Camus, A. (2019b). A peste (27 ed). Record.

Ferguson, A. (2016). Liderança. Intrínseca.

Freire, J. B. (2002). Jogo: entre o riso e o choro. Autores Associado.

Freire, P. (2019). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (62 ed). Paz e Terra.

Godoy, L. B., Leonardo, L. e Scaglia, A. J. (2022). Do macro ao micro: os vários jogos que compõe o jogo. Motrivivência, 34(1), 1-22. https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e87101

Huizinga, J. (2019). Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Perspectiva.

La Taille, Y. (2006). Moral e ética: dimensões intelectuais e afetivas. Artmed.

Leonardo, L. e Scaglia, A. J. (2022). “Temos que devolver o jogo ao(à) jogador(a)”: as dimensões éticas e morais da pedagogia dos esportes coletivos a partir de abordagens baseadas no jogo. Movimento, 28(1), 1-21. https://doi.org/10.22456/1982-8918.119990

Leopoldo e Silva, F. (2000). Arte, subjetividade e história em Sartre e Camus. Olhar, São Carlos, 2(3), 9-23.

Leopoldo e Silva, F. s/d.. A dimensão metafísica da revolta. Arthusa. https://arethusa.fflch.usp.br/node/18

Pimenta, D. R. (2016). Entre o absurdo e a revolta: por uma proposta filosófica para o ensino de filosofia pensada a partir de Albert Camus. [Tese Doutorado, Universidade Estadual de Campinas]. https://repositorio.unicamp.br/acervo/detalhe/967126?guid=1647999591466&returnUrl=%2fresultado%2flistar%3fguid%3d1647999591466%26quantidadePaginas%3d1%26codigoRegistro%3d967126%23967126&i=1

Ricoeur, P. (2014). O si-mesmo como outro. WMF Martins Fontes.

Sartre, J. P. (2015). O ser e o nada: ensaio de ontologia fenomenológica (24 ed). Vozes.

Scaglia, A. J. (2005). Jogo: um sistema complexo. Em J. B. Freire e S. Venâncio (eds.), O jogo dentro e fora da escola. Autores Associados. p.37-69.

Scaglia, A. J. (2017). Pedagogia do jogo: o processo organizacional dos jogos esportivos coletivos enquanto modelo metodológico para o ensino. Revista portuguesa de ciências do desporto, S1A:27-38. https://doi.org/10.5628/rpcd.17.S1A.27

Scaglia, A. J., Reverdito, R. S., Leonardo, L. e Lizana, C. J. R. (2013). O ensino dos jogos esportivos coletivos: as competências essenciais e a lógica do jogo em meio ao processo organizacional sistêmico. Movimento, 19(4), 227-249. DOI: 10.22456/1982-8918.37893

Scaglia, A. J., Silva, L. F. N., Lima Junior, J. B. G., Goes, A. L. e Machado, J. C. (2021). Pedagogia do jogo: bases conceituais e epistemológicas. Em E. I. Silva e P. A. Silva (orgs.), A cultura e a pedagogia da rua nas aulas de Educação Física escolar: implicações para prática docente (pp. 47-73). Alexa Cultural.

Von Zuben, M. D. C. e Medeiros, R. R. (2013). Nietzsche e a educação: autonomia, cultura e transformação. Trilhas Filosóficas, 6(1), 71-93.

Zagallo, M. J. L. (1971). As lições da Copa. Bloch Editôres.

Descargas

Publicado

2023-09-01 — Actualizado el 2023-09-01

Versiones

Cómo citar

Orenga Sandoval, G., Leonardo, L., Nogueira Silva, L. F., & Scaglia, A. J. (2023). A ética da revolta de Albert Camus e o ato de jogar:: aproximações teórico-filosóficas com a atuação do jogador no fenômeno “jogo”. Cuadernos De Filosofía Latinoamericana, 44(129), 155–169. https://doi.org/10.15332/25005375.7672

Número

Sección

Artículos