VEJEZ LGBTQIA+ EN UN CONTEXTO CARCELARIO BRASILEÑO DURANTE LA PANDEMIA DE COVID-19: UN ESTUDIO COMPARATIVO ENTRE HOMBRES Y MUJERES

Autores/as

  • Igor Eduardo de Lima Bezerra Universidade Federal do Delta do Parnaíba, Brasil
  • Ludgleydson Fernandes de Araújo Universidade Federal do Delta do Parnaíba, Brasil
  • Evair Mendes da Silva Sousa https://orcid.org/0000-0002-4594-6110
  • Mateus Egilson da Silva Alves Universidade Federal do Delta do Parnaíba, Brasil
  • Maria Fernanda Lima Silva Universidade Federal do Delta do Parnaíba, Brasil
  • Gutemberg de Sousa Filho Universidade Federal do Delta do Parnaíba, Brasil
  • Jéssica Gomes de Alcântara Universidade Federal do Delta do Parnaíba, Brasil
  • Emanuele Leal da Silva Universidade Federal do Delta do Parnaíba, Brasil
  • Renata Bandeira Jardim Universidade Federal do Delta do Parnaíba, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.15332/22563067.9372

Palabras clave:

vejez LGBTQIA , representaciones sociales, privación de libertad, prejuicio

Resumen

El presente estudio se configura como una investigación comparativa que busca identificar y analizar las representaciones sociales de la vejez LGBTQIA+ entre personas en privación de libertad. Participaron 28 personas, 14 hombres y 14 mujeres, con edades comprendidas entre 21 y 46 años (M = 43,7 años; DT = 16,2). Después de la recolección de datos, los análisis se realizaron utilizando el software SPSS Statistics (datos sociodemográficos) e Iramuteq (entrevistas semiestructuradas). Considerando los resultados, se observa que las representaciones sociales de la vejez LGBTQIA+ entre el público mencionado se subdividen en cuatro concepciones: a) aquellas en las que el prejuicio es central; b) quienes consideran la orientación personal como el único factor a tener en cuenta; c) los que creen que debe prevalecer el respeto; d) y aquellos específicos del público femenino que comprendan la necesidad de recursos que funcionen como soporte. Así, se espera que haya más discusiones sobre el tema, con el fin de deconstruir estigmas negativos sobre estas poblaciones y generar oportunidades equitativas para ellas, considerando y respetando su existencia y contribuyendo positivamente a sus vidas.

Citas

Albuquerque, P. P. de, & de Albuquerque Williams, L. C. (2015). Homofobia na escola: relatos de universitários sobre as piores experiências. Temas em Psicologia, 23(3), 663-676. Doi: https://doi.org/10.9788/TP2015.3-11.

Araújo, L. F., Salgado, A. G. A. T., Santos, J. V. O., Jesus, L. A., & Fonseca, L. K. S. (2020). Representações sociais da velhice LGBT entre Agentes Comunitários de Saúde. Psico (Porto Alegre), 50(4), 1-13. Doi: http://dx.doi.org./10.15448/1980-8623.2019.4.30619

Bagagli, B. P. (2017). Orientação sexual na identidade de gênero a partir da crítica da heterossexualidade e cisgeneridade como normas. Letras escreve, 7(1), 137-164. Doi: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2017v7n1.p137-164.

Baptista, L. A. (1999). A atriz, o padre e a psicanalista: Os amoladores de facas. In L. A. Baptista, Cidade dos sábios. Summus. 45-49. São Paulo.

Bezerra, I. E. L., Aráujo, L. F. de, Sousa, E. M. S., Alves, M. E. S., Silva, M. F. L., Almirante, D. C., Salgado, A. G. A. T. (2020). Representações sociais da velhice LGBT em uma comunidade quilombola. Psicologia, Educação & Cultura. Vol. XX IV (1), 99-114.

Brasil. Ministério da Justiça. INFOPEN - Sistema de informações estatísticas do sistema penitenciário brasileiro. 2019. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen/infopen. Acesso em: 20 jul. 2021.

Brasil. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional Covid-19 Painel de Monitoramento dos Sistemas Prisionais. 2020. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/covid-19-painel-de-monitoramento-dos-sistemas-prisionais. Acesso em: 20 jul. 2021.

Bomfim, S. A. do (2011). Homossexualidade, Direito e Religião: da pena de morte à união estável. A criminalização da homofobia e seus reflexos na liberdade religiosa. Revista Brasileira de Direito Constitucional, 18(1), 71-103.

Calixto, A. A. (2015). Rompendo o silêncio: a informação no espaço LGBT do estado da Paraíba. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/16775. Acesso em: 06 ago. 2021.

Cannone, L. A. R. (2020). Historicizando a transexualidade em direção a uma psicologia comprometida. Psicologia: Ciência e Profissão, 39. Doi: https://doi.org/10.1590/1982-3703003228487.

Carneiro, A. J. D. S. (2015). A morte da clínica: movimento homossexual e luta pela despatologização da homossexualidade no Brasil (1978-1990). Anais do Simpósio Nacional de História, Florianópolis, SC, Brasil, 28.

Cassal, L. C. B., Gonzalez, A. M. G., & Bicalho, P. P. G. (2011). Psicologia e o dispositivo da sexualidade: biopolítica, identidades e processos de criminalização. Psico, 42(4). Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/revistapsico/article/view/8600/7451. Acesso em: 01 ago 2021.

Cavalcanti, C. S., Bicalho, P. P. G. D., & Sposito, S. E. (2019). O Lugar da Psicologia Frente às Orientações Sexuais e Identidades de Gênero. Psicologia: Ciência e Profissão, 39(SPE3). Doi: https://doi.org/10.1590/1982-3703000062019.

Coacci, T. (2019). Como funciona a despatologização na prática?. Revista Estudos Feministas [online]. 2019, v. 27, n. 2. Doi: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n258001.

Colling, L. (2011). Stonewall 40+ o que no Brasil? EdUFBA.

Costa, C. G., Pereira, M., de Oliveira, J. M., & Nogueira, C. (2010). Imagens sociais das pessoas LGBT. Estudo sobre a discriminação em função da orientação sexual e da identidade de gênero.

Federal, S. (2003). Estatuto do idoso. Brasília (DF): Senado Federal.

Fernandes, F. L., Ghosh, A., Melino, H., Silva, M., Camatta, C., & Willadino, R. (2019). Pessoas LGBTI + em privação de liberdade: rumo a agendas participatórias e inclusivas de pesquisas e políticas nas periferias globais. Uma perspectiva do Brasil e da Índia. In G. Ferreira, & C. Klein (Eds.), Sexualidade e gênero na prisão: LGBTI + e suas passagens pela justiça criminal (pp. 62). Devires.

Fernández-Rouco, N., Sánchez, F. L., & González, R. J. C. (2012). Transexualidad y vejez: una realidad por conocer. Revista Kairós: Gerontologia, 15(3), 15-25. Doi: https://doi.org/10.23925/2176-901X.2012v15i3p15-25.

Fredriksen-Goldsen, KI, Hoy-Ellis, CP, Muraco, A., Goldsen, J., & Kim, H.-J. (2015). A saúde e o bem-estar de idosos LGBT: disparidades, riscos e resiliência ao longo da vida. Em NA Orel & CA Fruhauf (Eds.), As vidas de adultos mais velhos LGBT: Compreendendo os desafios e a resiliência (pp. 25–53). Associação Americana de Psicologia. Doi: https://doi.org/10.1037/14436-002.

Gomes, A. M., Reis, A. F. dos, & Kurashige, K. D. (2013). A violência e o preconceito: as formas da agressão contra a população LGBT em Mato Grosso do Sul. Caderno Espaço Feminino, 26(2). ISSN online 1981-3082.

Han, E., & O'Mahoney, J. (2018). British Colonialism and the Criminalization of Homosexuality: Queens, crime and empire. Routledge.

Herz, M., & Johansson, T. (2015). The normativity of the concept of heteronormativity. Journal of Homosexuality, 62(8), 1009-1020. Doi: https://doi.org/10.1080/00918369.2015.1021631.

Humanos, D. U. D. D. (2018). Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948. Disponível em: http://www.dudh.org.br/wp-content/uploads/2014/12/dudh.pdf. Acesso em 15 mai. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) 2019. [Versão Eletrônica]. Obtido em 20 de Dezembro de 2020 de https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/17270-pnadcontinua.html?=&t=publicacoes.

Itaborahy, L. P. (2014). Pessoas LGBT vivendo em pobreza no Rio de Janeiro. Londres, Reino Unido: Micro Rainbow International C.I.C. London, EC4M 6YH - United Kingdom. Disponível em: https://microrainbow.org/wp-content/uploads/2014/12/20141204-report-port.pdf. Acesso em: 07 ago. 2021.

Jesus, L. A., Araújo, L. F., Santos, J. V. O., Gomes, H. V., Salgado, A. G. A. T., & Monte, M. (2019). Velhice LGBT e pessoas espíritas: Um estudo das representações sociais. Revista de Psicología, 28(2), 1-9. Doi: http://dx.doi.org/10.5354/0719-0581.2019.55657

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. In D. Jodelet (Org.). Representações Sociais (Cap. 1, pp. 17-44). Rio de Janeiro: EDUERJ. Disponível em: https://pt.scribd.com/doc/61566294/Representacoes-Sociais-Cap-01-Jodelet

Jodelet, D. (2018). Ciências sociais e representações: estudo dos fenômenos representativos e processos sociais, do local ao global. Sociedade e Estado, 33(2), 423-442. Doi: https://dx.doi.org/10.1590/s0102-699220183302007

Kalume, C. C., Itaborahy, L. P., & Moreira, J. C. C. (2016). Vulne-rabilidades socioeconômicas de pessoas LGBT no Rio de Janeiro. Disponível em: https://mrifoundation.global/wp-content/uploads/2017/05/Vulnerabilidades-socioecon%C3%B4micas-de-pessoas-LGBT-no-Rio-de-Janeiro-artigo-completo.pdf. Acesso em: 07 ago. 2021.

Louro, G. L. (2004). Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica.

Manhães, F. C., Istoe, R. S. C. & De Souza, C. H. M. (2015) Envelhecimento em foco: abordagens interdisciplinares II: A sexualidade e o envelhecimento na contemporaneidade: reflexões sobre uma história em construção. Campos dos Goytacazes: Brasil Multicultural.

Moscovici, S. (2012). Representações sociais: investigações em psicologia social. 9ª ed. Petrópolis (RJ): Vozes.

Morera, J. A. Ca., Padilha, M. I., Silva, D. G. V., & Sapag, J. (2015). Aspectos teóricos e metodológicos das representações sociais. Texto & Contexto - Enfermagem, 24(4), 1157-1165. Doi: https://dx.doi.org/10.1590/0104-0707201500003440014

Musskopf, A. (2012). Via(da)gens teológicas. Itinerários para uma teologia queer no Brasil. Ponte Editoria, São Paulo.

Oliveira, F. O., & Werba, G. C. (2013). Representações Sociais. In Jacques, M. G. C., Strey, M. N., Bernardes, N. M. G., Carlos, S. A., & Fonseca, T. M. G. (Org.) Psicologia Social Contemporânea, 104-117. Petrópolis: Editora Vorazes.

Organização Mundial da Saúde [OMS]. (2021). Painel do Coronavírus da OMS (COVID-19): OMS. [Versão Eletrônica]. Obtido em 25 de Julho de 2021 de https://covid19.who.int/table.

Pereira, M. C. A., & Santos, L. D. F. (2020). Caminhos para o envelhecimento saudável: relação entre hipertensão arterial sistêmica e principais fatores de riscos modificáveis. Revista Ciência Plural, 6(1), 74-91. Doi: https://doi.org/10.21680/2446-7286.2020v6n1ID21667

Perucchi, J., Brandão, B. C., & Vieira, H. I. D. S. (2014). Aspectos psicossociais da homofobia intrafamiliar e saúde de jovens lésbicas e gays. Estudos de Psicologia (Natal), 19(1), 67-76. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2014000100009.

Rabelo, D. F., Silva, J., Rocha, N. M. F. D., Gomes, H. V., & Araújo, L. F. (2018). Racismo e envelhecimento da população negra. Revista Kairós: Gerontologia, 21(3), 193-215. ISSNe 2176-901X. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP. Doi: http://dx.doi.org/10.23925/2176-901X.2018v21i3p193-215.

Reis, T. (2012). Avanços e desafios para os direitos humanos das pessoas LGBT. Minorias sexuais: direitos e preconceitos. Brasília: Consulex, 55-68.

Rubin, G. (1993). O tráfico de mulheres: notas sobre a economia política dos sexos. Recife: SOS Corpo.

Salgado, A. G. A. T., Araújo, L. F., Santos, J. V. O, Jesus, L. A., Fonseca, L. K. S, & Sampaio, D. S. (2017). Velhice LGBT: uma análise das representações sociais entre idosos brasileiros. Ciências Psicológicas, 11(2), 155-163. Doi: https://doi.org/10.22235/cp.v11i2.1487.

Santos, J. V. O., Carlos, K. P. T., Araújo, L. F., & Negreiros, F. Compreendendo a velhice LGBT: uma revisão da literatura. (2017). In: Araújo, L. F.; Carvalho, C. M. R. G. (Orgs.). Envelhecimento e Práticas Gerontológicas (1a ed., Cap. 8), Curitiba-PR/Teresina-PI: Editora CRV/EDUFPI.

Santos, H. M., da Silva, S. M., & Menezes, I. (2017). Para uma visão complexa do bullying homofóbico: desocultando o quotidiano da homofobia nas escolas. Ex aequo, Lisboa, n. 36, p. 117-132. Doi: https://doi.org/10.22355/exaequo.2017.36.07.

Santos, B. G. D. (2020). A adoção por casais homoafetivos. Disponível em: http://repositorio.fama-ro.com.br/handle/123456789/127. Acesso em: 05 ago. 2021.

Silva, C. G. D. (2016). Sexualidade: Dimensão conceitual, diversidade e discriminação. Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial. São Paulo: UNIFESP.

Silva, L. V. da, & Barbosa, B. R. S. N. (2016). Sobrevivência no armário: dores do silêncio LGBT em uma sociedade de religiosidade heteronormativa. Estudos de religiao, 30(3), 129-154.

Sousa, D., & Cavalcanti, C. (2016). Entre normas e tutelas: pensando (im) possibilidades da Psicologia em interface com transgeneridades. Gênero na psicologia: Saberes e práticas, 126-139.

Torres, M. A. (2011). Orientação sexual e identidade de gênero enfrentamentos possíveis à homofobia: orientação sexual E identidade de gênero no contexto da Educação. Educação e Diversidade Sexual.

Veras, R. P., Caldas, C. P., Coelho, F. D., & Sanchez, M. A. (2007). Promovendo a saúde e prevenindo a dependência: identificando indicadores de fragilidade em idosos independentes. Revista brasileira de geriatria e gerontologia, 10(3), 355-370.

Descargas

Publicado

2024-02-01

Cómo citar

de Lima Bezerra, I. E. ., Fernandes de Araújo, L. ., da Silva Sousa, . E. M. ., da Silva Alves, M. E. ., Lima Silva, M. F. ., Sousa Filho, G. de, de Alcântara, J. G. ., Leal da Silva, E., & Bandeira Jardim, R. . (2024). VEJEZ LGBTQIA+ EN UN CONTEXTO CARCELARIO BRASILEÑO DURANTE LA PANDEMIA DE COVID-19: UN ESTUDIO COMPARATIVO ENTRE HOMBRES Y MUJERES. Diversitas, 19(2). https://doi.org/10.15332/22563067.9372

Número

Sección

Artículos