A INTERFERÊNCIA DO EFEITO-TERRITÓRIO NA MOBILIDADE ECONÔMICA DE MORADORES DE TRÊS BAIRROS SEGREGADOS DE SALVADOR DA BAHIA (BRASIL). UMA ANÁLISE A PARTIR DAS REDES INTERPESSOAIS

Stephan Treuke

Resumen


Analisando o efeito-território na mobilidade econômica de moradores de três bairros segregados de Salvador a partir das redes interpessoais, constata-se que proximidade do Nordeste de Amaralina aos bairros da classe média-alta favorece a integração econômica ao manter a segmentação social. Enquanto em Fazenda Grande II a heterogeneidade social e o efeito socializador da escola mitigam o isolamento, a localização periférica de Plataforma produz a naturalização das distâncias sociais.


Referencias


Almeida, R. e D’Andrea, T. (2004). Pobreza e redes

sociais em uma favela paulistana. Novos Estudos, 68,

-106.

Andrade, L. T. e Silveira, L. S. (2013). Efeito-território.

Explorações em torno de um conceito sociológico.

Civitas, 13(2), 381-402.

Bidou-Zachariasen, C. (1996). Classes populaires et

classes moyennes en centre rénové. Em: N. Haumont

(ed.). La ville: agrégation et ségrégation sociales (pp.

-142). Paris: L’Harmatan.

Bourdieu, P. (1986). The forms of Capital. Em: J. G.

Richardson (ed.). Handbook of theory and research for

the sociology of education (pp. 241-258), New York,

Estados Unidos: Greenwood Press.

Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. Rio de Janeiro:

Editora Bertrand Brasil.

Briggs, X. (2001, julho). Ties that bind, bridge

and constrain: social capital and segregation in the

American metropolis. Cambridge, Massachusetts:

International Seminar on Segregation and the City,

Lincoln Institute of Land Police.

Brooks-Gunn, J. e Duncan, G. J. (org.). (1997).

Neighborhood Poverty. Volume II: Policy Implications

in Studying Neighborhoods. New York: Russell Sage

Foundation.

Burt, R. S. (1992). The social structure of competition.

Cambridge (MA), Estados Unidos: Harvard

University Press.

EPISTEME / ISSN: 2027-7504 / Vol. 7, No. 9 / ene.-dic. 2016 / Villavicencio / pp. 33-44

Carvalho, I. M. M. e Pereira, G. C. (ed.). (2014).

Salvador: tranformações na ordem urbana: metrópoles:

território, coesão social e governança democrática. Rio

de Janeiro, Brasil: Letra Capital/Observatório das

Metrópoles.

Castells, M. (1983). A questão urbana. Rio de Janeiro:

Paz e Terra.

Coleman, J. S. (1988). Social capital and the creation

of human capital. The American Journal of Sociology,

, 95-120.

Ellen, I. G. e Turner, M. A. (1997). Does neighborhood

matter? Assessing recent evidence. Housing Policy

Debate, 8(4), 833-866.

Granovetter, M. (1973). The strength of weak ties. The

American Journal of Sociology, 78(6), 1360-1380.

Harvey, D., (2005). A Produção Capitalista do Espaço,

São Paulo, Brasil: Editora Annablume.

Kaztman, R. (2007). A dimensão espacial das políticas

de superação da pobreza. Em: L. C. Q. Ribeiro e

O. dos Santos Júnior (ed.). As metrópoles e a questão

social brasileira (pp. 301-339). Rio de Janeiro:

Revan/FASE.

Kaztman, R. e Filgueira, F. (1999). Marco conceptual

sobre activos, vulnerabilidad y estructuras de

oportunidades, Montevidéu, Uruguai: Cepal.

Kaztman, R. e Filgueira, F. (2006). Las normas

como bien público y como bien privado: reflexiones

en las fronteras del enfoque AVEO. Montevideo,

Uruguai: Universidad Católica del Uruguay, Serie

Documentos de Trabajo del Ipes-Colección Aportes

Cconceptuales.

Kaztman, R. e Retamoso, A. (2005). Introducción:

empleo, concentración espacial y endurecimiento, de

la pobreza urbana. Revista de la CEPAL, 85, 132-148.

Lin, N. (1999). Building a Network Theory of Social

Capital. Connections, 22(1), 28-51.

Marcuse, P. (2004). Enclaves, sim; guetos, não: a

segregação e o Estado. Espaço e Debates, 24(45), 11-23.

Marques, E. (2007). Redes sociais, segregação e pobreza em

São Paulo. 182 f. Tese de Livre Docencia (Doutorado

em Ciência Política). Brasil: Universidade de São

Paulo (SP), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências

Humanas. Departamento de Ciência Política.

Massey, D. e Denton, N. (1993). American Apartheid:

Segregation and the Making of the Underclass.

Cambrige: Harvard University Press.

Park, R. A. (1987). Cidade: sugestões para a

investigação do comportamento humano no meio

urbano. Em: O. G. Velho (ed.). O fenômeno urbano

(pp. 26-67). Rio de Janeiro: Guanabara.

Putnam, R. D. (2000). Bowling alone: the collapse of

America’s social capital. New York, Estados Unidos:

Simon & Shuster.

Ribeiro, L. C. (2008). Proximidade territorial e

distância social: reflexões sobre o efeito de lugar a

partir de um enclave urbano. VeraCidade, 3(3), 1-21.

Sampson, R. J. (1997). Collective regulation of

adolescent misbehavior: validation results from

Chicago neighborhoods. Journal Adolescent Research,

(2), 227–244.

Simmel, G. (1987). Metrópole e vida mental. Em:

O.G. Velho (ed.). O fenômeno urbano, (pp. 11-25).

Rio de Janeiro, Brasil: Guanabara.

Small, M. L. e Newman, K. (2001). Urban poverty

after ‘The truly disadvantaged’: the rediscovery of

the family, the neighborhood, and culture. Annual

Review Sociology, 27, 23-45.

Wilson, W. J. (1987). The truly disadvantaged: The

inner city, the underclass and public policy. Chicago,

Estados Unidos: University Press.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


 

_________________________________________________________________

ISSN: 2027-7504