Escala de creencias sobre el uso de cuestionarios en la investigación científica: evidencias psicométricas preliminares

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.15332/22563067.5874

Palabras clave:

validez de contenido, validez factorial, creencias, cuestionarios, investigaciones científicas

Resumen

Biografía del autor/a

, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

, Universidade Federal da Paraíba

Psicóloga pela Universidade Federal da Paraíba.

, Universidade Federal da Paraíba

Psicóloga pela Universidade Federal da Paraíba.

, Universidade Federal da Paraíba

Psicóloga pela Universidade Federal da Paraíba.

, Universidade Federal da Paraíba

Psicóloga pela Universidade Federal da Paraíba.

Citas

Anunciação, L., Silva, S. R., Santos, F., A. e Landeira-Fernandez, J. (2018). Redução da escala tendência empreendedora geral (TEG-FIT) a partir do coeficiente de validade de conteúdo (CVC) e teoria da resposta ao item (TRI). Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 17, 192-207. https://doi.org/10.21529/RECADM.2018008

Barros, J. D. A. (2017). As hipóteses nas ciências humanas: aspectos metodológicos. Editora Vozes Limitada.

Bienemann, B. e Damásio, B. F. (2017). Desenvolvimento e validação de uma escala de atitude em relação à ciência na psicologia. Avaliação Psicológica, 16, 489-497. https://doi.org/10.15689/ap.2017.1604.13409

Borsa, J. C., Damásio, B. F. e Bandeira, D. R. (2012). Adaptação e validação de instrumentos psicológicos entre culturas: algumas considerações. Paidéia (Ribeirão Preto), 22, 423-432. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2012000300014

Castañon, G. A. (2009). Science Wars: uma guerrilha contra a ciência moderna. Boletim Interfaces da Psicologia, 2, 70-76.

Chizzotti, A. (2018). Pesquisa em ciências humanas e sociais (2ª ed.). Cortez Editora.

Conselho Nacional de Saúde (2016). Resolução n.º 510, de 7 de abril de 2016. https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Cunha, C. M., Neto, O. P. A. e Stackfleth, R. (2016). Principais métodos de avaliação psicométrica da validade de instrumentos de medida. Revista de Atenção à Saúde, 14, 75-83. https://doi.org/10.13037/ras.vol14n47.3391

Damásio, B. F. (2012). Uso da análise fatorial exploratória em psicologia. Avaliação Psicológica, 11, 213-228.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E. e Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6ª ed.). ArtMed.

Harms, P. D., Krasikova, D. V. e Luthans, F. (2018). Not me, but reflects me: Validating a simple implicit measure of psychological capital. Journal of Personality Assessment, 100, 551-562. https://doi.org/10.1080/00223891.2018.1480489

Hauck Filho, N. e Valentini, F. (2019). O controle da desejabilidade social no autorrelato usando quádruplas de itens. Avaliação Psicológica, 18, 219-332. https://doi.org/10.15689/ap.2019.1803.ed

Hernández-Nieto, R. A. (2002). Contributions to statistical analysis. Los Andes University.

Horn, J. (1965). A rationale and test for the number of factors in factor analysis. Psychometrika, 30, 179-185. https://doi.org/10.1007/BF02289447

International Test Commission (2017). The ITC Guidelines for Translating and Adapting Tests (2ª ed.). https://www.intestcom.org/files/guideline_test_adaptation_2ed.pdf

Kohlsdorf, M. e Costa Júnior, A. L. (2009). O autorrelato na pesquisa em psicologia da saúde: desafios metodológicos. Psicologia e Argumento, 27(57), 131-139. https://doi.org/10.7213/rpa.v27i57.19763

Lins, M. R. C. e Borsa, J. C. (2017). Avaliação psicológica: aspectos teóricos e práticos. Editora Vozes Limitada.

Lorenzo-Seva, U., Timmerman, M. E. e Kiers, H. A. (2011). The Hull method for selecting the number of common factors. Multivariate Behavioral Research, 46, 340-364. https://doi.org/10.1080/00273171.2011.564527

Lundåsen, S. (2002). Podemos confiar nas medidas de confiança?. Opinião pública, 8, 304-327. https://doi.org/10.1590/S0104-62762002000200007

Manoel, B. C. L., Silva, R. e Oliveira, R. C. (2017). Ciência, conhecimento e paradigma: uma reflexão sobre a produção científica na atualidade. Almanaque Multidisciplinar de Pesquisa, 1, 177-191.

Mattar, J. (2017). Metodologia científica na era digital (4ª ed.). Saraiva.

Mattos, M. G., Rossetto Júnior, A. J. e Rabinovich, S. B. (2017). Metodologia de pesquisa em educação física (4ª ed.). Phorte.

Minayo, C. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Hucitec.

Novaes, F. C., Bienemann, B., Paveltchuk, F. D. O., Siqueira, P. H. T. e Damásio, B. F. (2019). Desenvolvimento e Propriedades Psicométricas da Escala de Atitude em Relação à Ciência. Psico-USF, 24, 763-777. https://doi.org/10.1590/1413-82712019240413

Pasquali, L. (1998). Princípios de elaboração de escalas psicológicas. Revista de Psiquiatria Clínica, 25, 206-13.

Pasquali, L. (2003). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Vozes.

Pasquali, L. (2012). Análise fatorial para pesquisadores. LabPam.

Pasquali, L. (2017). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Editora Vozes Limitada.

Pedrosa, I., Suárez-Álvarez, J. e García-Cueto, E. (2013). Evidencias sobre la validez de contenido: avances teóricos y métodos para su estimación. Acción psicológica, 10, 3-18. https://doi.org/10.5944/ap.10.2.11820

Reppold, C. T., Gurgel, L. G. e Hutz, C. S. (2014). O processo de construção de escalas psicométricas. Avaliação Psicológica, 13, 307-310.

Rokeach, M. (1973). The nature of human values. The Free Press.

Silveira, M. B., Saldanha, R. P., Leite, J. C. D. C., Silva, T. O. F. D., Silva, T. e Filippin, L. I. (2018). Construção e validade de conteúdo de um instrumento para avaliação de quedas em idosos. Einstein (São Paulo), 16, 1-8. https://doi.org/10.1590/s1679-45082018ao4154

Vasconcellos, S. J. L., Pozzobon, F. A., Cas, A. R. D., Moraes, O. F., Rocha, A. M. D. e Ferraz, R. C. (2018). Instrumentos de autorrelato para avaliar traços antissociais medem o que objetivam medir?. Avaliação Psicológica, 17, 163-169. https://doi.org/10.15689/ap.2018.1702.13264.01

Vieira, H. C., Castro, A. E. e Schuch Júnior, V. F. (2010, 9-10 set.). O uso de questionários via e-mail em pesquisas acadêmicas sob a ótica dos respondentes. XIII SEMEAD Seminários em Administração. http://sistema.semead.com.br/13semead/resultado/trabalhosPDF/612.pdf

Villemor-Amaral, A. E. D. e Resende, A. C. (2018). Novo modelo de avaliação psicológica no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão, 38, 122-132. https://doi.org/10.15689/ap.2019.1802.15466.02

Zanon, C., Lessa, J. P. A. e Dellazzana-Zanon, L. L. (2018). Aquiescência em autorrelatos de personalidade: uma comparação de métodos. Avaliação Psicológica, 17, 428-438. https://doi.org/10.15689/ap.2018.1704.3.03

Publicado

2022-08-05

Cómo citar

Camilla Vieira de Figueiredo, Hysla Magalhães de Moura, Marcela Amaral Rodrigues, Luiza Armanda Pinto dos Santos, Amanda Barros de Abreu, & Nicole Almeida Ventura Queiroga. (2022). Escala de creencias sobre el uso de cuestionarios en la investigación científica: evidencias psicométricas preliminares: Array. Diversitas, 18(1). https://doi.org/10.15332/22563067.5874

Número

Sección

Artículos